Como começar no vegetarianismo

Uma das maiores dificuldades das pessoas que querem parar de comer produtos animais é aprender o que comer – e imaginar que vão ficar sem comer coisas boas. Pois não tema! Este texto, tirado do zine Herbívora 2, te ensina como começar a se deliciar com uma alimentação 100% vegetal (o termo vegetariano é usado aqui para descrever uma dieta sem nenhum produto animal, incluindo derivados).

– A primeira coisa é perceber que a maior parte do que a gente come 
é… vegetal! Frutas, arroz e feijão, batata frita, açaí, pipoca, pão francês (esse pode não ser, tem padeiro que inventa, então sempre é melhor perguntar)

– A dieta vegetariana não tem nada a ver com restrição. Então, comece por NÃO tirar alimentos. Pelo contrário: introduza no dia a dia itens que você não tem o hábito de consumir. Assim, não vai ficar com o sentimento de que está perdendo coisas. Dê uma examinada na variedade de comidas do mundo vegetal, selecione algumas que tu não tem o hábito de comer, e comece a comê-las. Por exemplo:

  • Tapioca
  • 
Hommus
  • Grão de bico
  • Castanhas
  • Manteigas de castanhas (de caju, macadâmia, amêndoas, amendoim)
  • Frutas e legumes diferentes (pra mim foram aspargos, batata doce, beterraba, couve, bock choy, acelga)

– Se começar a comer mais coisas, vai perceber a extensa variedade de possibilidades do cardápio sem produtos animais. Nesse dia, vai ser mais fácil começar a tirar os produtos animais, um de cada vez. Talvez isso aconteça até naturalmente: quando tu te der conta, faz um mês que não toma leite. Comece a tirar o mais fácil. Se não gosta muito de leite, mas bebe porque é o que tem pra tomar com café, comece a tomar o café puro ou
 com leites vegetais uma vez por semana, depois três, e assim
por diante. Primeiro, o mais fácil (leite?). Depois, quando 
o mais fácil já estiver solidificado, vá para o mais difícil (queijo?).

– O mais difícil, no meu caso, era o queijo. E por isso eu resolvi ser radical: cortei de uma vez só. Um dia, parei de comer e nunca mais comi. O queijo é meio viciante: quanto mais a gente come, mais dependente é. Se não come, passa a não ter mais aquela necessidade (pode acreditar, isso aconteceu comigo. E eu achava que ia MORRER se não comesse queijo).

– Se tu começar a introduzir mais alimentos vegetais, e a reduzir os animais, vai percebendo que teu paladar vai mudando. E daqui a pouco vai deixando de gostar tanto dos velhos sabores.

– Tu pode também usar a estratégia em casa/fora de casa. Não 
compre mais produtos animais, então dentro de casa tu não consome. O importante nesta estratégia é não achar que fora de casa é liberado, e abusar. Tu vai usar essa estratégia para ir acostumando o paladar, e por que fora de casa às vezes a gente se pega morrendo de fome e sem nenhuma comida disponível.

– Eu sinto muita fome durante o dia, então me acostumei a sempre ter algo pra comer dentro da bolsa. Castanhas, uma banana, uma maçã, se vou ficar muito tempo fora levo até um sanduíche. É mais fácil almoçar na rua do que lanchar. Mas tem uma coisa bem boa pra comer de lanche na rua: açaí!

– Almoçar e jantar fora de casa no início pode parecer difícil, mas depois fica fácil. Hoje em dia eu como em qualquer lugar. Restaurante a quilo é o mais fácil. Mas dá pra ser feliz até no boteco da esquina, onde eu peço arroz, feijão, salada e batata frita. Em restaurantes um pouco mais arrumadinhos, dê uma olhada nos acompanhamentos dos pratos e peça para te servirem um prato com alguns deles (arroz e legumes sempre tem).

___

Já veganizou ou quer veganizar? Veja a receita do tofu com legumes.

E a do chili vegano. E a da guacamole.

Gostou? Segue a Herbívora no Facebook pra ver as próximas receitas!
E no YouTube pra dar umas risadinhas 🙂

Um comentário

  1. Pingback: Herbívora: uma conversa sobre horta urbana, culinária e veganismo - Os Achados por Bia Perotti

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*