compostagem

Por que compostar? Saiba o que é a compostagem

Cerca de 50% do resíduo produzido em uma casa é orgânico. A maior parte disso que chamamos de “lixo orgânico” são restos de vegetais que alimentaram e nutriram nosso corpo. O processo linear (extração-produção-descarte) no manejo do alimento produz toneladas e toneladas de lixo, em grandes pilhas que ocupam espaço, geram mau cheiro e podem contaminar o solo. Compostar faz com que esse material não acabe inutilizado nos aterros sanitários, mas seja reciclado e se transforme em adubo. Sim, matéria orgânica também é reciclável! Compostar é trabalhar dentro da economia circular, retornar os nutrientes para a terra e completar o círculo – ou melhor, a espiral, que reinicia.

O que é o composto?

A ciclagem da matéria orgânica acontece de forma espontânea na natureza. As folhas secas, flores, frutos que caem das árvores, passam pela decomposição através da ação de microorganismos, agregando nutrientes ao solo (1). A compostagem é o processo de transformação desses materiais vegetais, ricos em carbono, nitrogênio e micronutrientes, em materiais orgânicos utilizáveis na agricultura (2).
A compostagem caseira é uma forma de copiar o ciclo natural da matéria orgânica. O composto, material resultante da compostagem, é muito parecido – no cheiro, textura e aparência – com a terra.

Tipos de compostagem:

Termofílica: a decomposição da matéria orgânica ocorre pela ação de fungos e bactérias, em ambiente aeróbio (com a presença de oxigênio) e úmido. Na compostagem termofílica é preciso revolver a pilha de composto para a entrada do ar.

Vermicompostagem: as minhocas fazem a maior parte do trabalho, agindo como “grandes microorganismos”, também em ambiente aeróbio e úmido. Em um minhocário, a ação das minhocas garante a presença do ar no meio da matéria orgânica.

O que pode ser compostado?

Uma pilha de composto deve ser montada com dois tipos de materiais:

  • Matéria verde, rica em nitrogênio, e com presença de água: cascas e talos de frutas, legumes, verduras; folhas verdes, capim verde.
  • Matéria marrom, rica em carbono, seca: palha, serragem, folhas secas, papel.

Por que compostar em casa?

  • Porque não existe “lixo”. Diferente do que fomos ensinados, não é possível “jogar fora” coisa alguma. Tudo que a gente descarta precisa ir para algum lugar – aqui mesmo, nesse planeta. Compostar é reciclar material orgânico. Ao compostar, você diminui a quantidade de resíduo descartado na sua casa (consequentemente, a quantidade de matéria orgânica que vai parar nos aterros sanitários), diminuindo a sua pegada ecológica no planeta. Compostar é assumir a responsabilidade pela destinação do que chamamos de lixo.
  • Ao praticar e observar a compostagem nos tornamos conscientes dos processos envolvidos na nossa alimentação – de onde vem, como vem, para onde vai a comida. Isso abre uma série de questionamentos que podem fazer você mudar muita coisa na sua vida. (se joga!)
  • Para ver o ciclo da natureza acontecendo ali na sua frente. Se você tem crianças em casa, é uma aula prática e diária de ecologia e biologia.
  • Para fazer, você mesmo, adubo orgânico rico, de alta qualidade. É ótima a sensação de não ter que comprar alguma coisa 🙂
  • Para enriquecer o solo no seu entorno, esteja você no campo ou na cidade.

Referências:

(1) Curso intensivo de agricultura urbana ArboreSer

(2) Manual de horticultura ecológica – João Francisco Neto (livro)

Compostar, plantar, comer – vídeo de Lua Bonduki

Por que as pessoas estão fazendo compostagem – vídeo de divulgação da Morada da Floresta para o Prêmio Empreendedor Social 2016 com várias entrevistas com pessoas (e empresas) que compostam

O que é composteira – vídeo do biólogo Renato Suelotto

Manual do solo vivo – Ana Primavesi (livro)

The essential urban farmer – Novella Carpenter e Willow Rosenthal (livro)

___

Veja como começar a compostar em casa.

Assine a newsletter para ser avisado sobre as publicações do blog e eventos Herbívora.

Gostou? Siga Herbívora no Facebook e o canal HerbivoraTube.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*