horta moradores de rua

Moradores de rua cultivam horta agroecológica em Brasília

Em Brasília existe uma horta urbana voltada – e cuidada por – moradores de rua. É a horta do Centro Pop, um centro de assistência para a população em situação de rua, mantido pela Secretaria de Desenvolvimento Social do DF. A horta foi idealizada pelo Projeto Equinócios, que atua dentro do Centro Pop oferecendo oficinas culturais, e existe há um ano.

Eu conheci o projeto Equinócios através de um crowdfunding com o objetivo de conseguir verba para continuar a monitoria, comprar ferramentas, reformar o viveiro e implementar novos canteiros agroflorestais. O crowdfunding não atingiu a meta, mas o valor arrecadado foi o suficiente para mais alguns meses do projeto, financiado inicialmente com um edital do Fundo de Apoio à Cultura do Distrito Federal. Atualmente, o agroecólogo Igor Aveline visita a horta uma vez por semana para fazer o manejo dos canteiros e envolver os moradores de rua que frequentam o Centro Pop.

A sensibilização é delicada. Os moradores de rua visitam o centro para receber cuidados médicos básicos, encaminhamento para programas sociais, fazer um lanche, descansar na sombra. Ao chegar, Igor dá uma volta pelo espaço falando com todo mundo, convidando para as atividades da horta. “Procuro abordá-los com muito cuidado e afeto, porque muitos deles não recebem isso na rua”.

No dia em que visitei a horta, Igor implementava um sistema de irrigação por gotejamento e fazia a manutenção dos canteiros agroflorestais. A horta tem bananeiras aos montes, milho, mandioca, e uma variedade de PANC e verduras. A rúcula virou mato e fugiu dos canteiros (levei comigo um maço colhido na hora). Renato e Fernando, frequentadores do Centro, apareceram para ajudar, regando os canteiros e fazendo a capina.

Veja algumas fotos da horta do Centro Pop e acesse a página no Facebook para saber mais.

___

Gostou? Veja mais posts sobre hortas.

Siga Herbívora no Facebook.

E no HerbivoraTube.

Quer ficar sabendo das novidades? Assine a newsletter.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*